31 de março de 2011

Round 1 (Melbourne) - Impressões

Sebastian Vettel não teve dificuldades para vencer o GP da Austrália, disputado neste domingo no Albert Park. O alemão da Red Bull venceu a corrida de ponta à ponta, e não foi ameaçado em nenhum momento da prova; mostrando que sim, existe uma abismo entre a equipe austríaca (principalmente com Vettel ao volante) e as rivais. Já seu companheiro Mark Webber teve uma performance apagada (e até passiva) durante toda a prova, terminando em quinto lugar (muito pouco para o carro que tem nas mãos).

Lewis Hamilton chegou em segundo, coroando o grande trabalho que a equipe McLaren fez entre a pré-temporada e esta primeira etapa. Jenson Button fez uma corrida correta (sem mostrar a mesma performance do companheiro) e terminou na sexta a colocação. Poderia ter conseguido um melhor resultado, não fosse o tempo perdido atrás de Felipe Massa nas primeiras voltas.

Vitaly Petrov confirmou as expectativas de desempenho da Renault-Lotus, e, após uma corrida sem erros, andando em um ritmo bem próximo dos rivais, foi o primeiro russo a conquistar um pódio na categoria. Nick Heidfeld teve problemas após a largada e, com o carro avariado, não conseguiu evoluir durante a prova. Mas, se a boa performance do carro for constante, não me surpreenderei em ver o alemão subir ao pódio em breve.

Fernando Alonso fez mais uma corrida extremamente inteligente. Mesmo com uma péssima largada e um carro limitado, conseguiu uma boa quarta colocação (sendo inclusive bastante veloz em alguns momentos). Já Felipe Massa fez um ótimo primeiro 'stint': ótima largada e condução brilhante nas primeiras voltas... e só! O brasileiro caiu de rendimento ao longo da prova e mais uma vez culpou os pneus (até quando esta desculpa vai colar?). A equipe Ferrari mostrou estar muito aquém da expectativas da pré-temporada, mas não me parece um carro mal nascido, e acredito que tenha um grande potencial de evolução nas próximas etapas.

Depois da classificação desastrosa, a Williams mostrou um carro bastante veloz durante a corrida, mas que ainda sofre com a confiabilidade de alguns componentes. Diferente da pré-temporada (quando o problema estava no Kers), ambos os pilotos abandonaram por problemas com o (revolucionário) câmbio. Antes de abandonar Barrichello errou muito, e nem parecia o piloto experiente e cerebral que costuma ser... já Maldonado não teve tempo nem de mostrar serviço. Fica a promessa de figurar com frequencia nos pontos.

A Sauber conseguiu a façanha de colocar seus dois pilotos na zona de pontuação. Mesmo sendo desclassificada por uma irregularidade na asa traseira (só constatada com réguas e gabaritos, uma covardia) nada apaga o bom desempenho de seus pilotos; Sérgio Pérez (uma única troca de pneus, incrível) e Kamui Kobayashi fizeram um ótimo trabalho. Não têm potencial para brigar pelas primeiras posições, mas prometem dor de cabeça para Williams e Renault.


Fiquei de olho no funcionamento e eficiência das novidades (que renderam páginas e páginas de discussão) e, confesso que, apesar de ser cedo para uma avaliação, não me pareceram algo decisivo numa disputa de posição. Em todas as disputas que me lembro, o piloto "atacado" se saiu melhor do que o "atacante". Tanto a asa móvel quanto o Kers serviram somente como comentário dos locutores de TV. Vamos ver como se comportam na Malásia.

Os pneus realmente tornaram o pit lane muito mais movimentado; mas isto não se traduziu em disputas de posição, como se esperava. A tática é simples: quando um piloto sente uma queda significativa no seu rendimento não há duvida; entra nos boxes, troca pneus e evita uma disputa na pista. Quem entra primeiro agora, leva vantagem... Diferente de antes, quando quem permanecia na pista, geralmente ganhava a posição. Na minha opinião, não se trata exatamente de conservar os pneus, e sim de fazer a troca no momento certo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário