2 de fevereiro de 2012

Ironia do destino



Gilles Villeneuve cabisbaixo no pódio do GP de San Marino de 1982, circuito de Ímola. Eu explico já o motivo da decepção. 

A Ferrari dominou toda a prova. O canadense liderava, seguido pelo companheiro Didier Pironi. Nada podia ser mais perfeito; uma dobradinha em casa para os tifosi. Para garantir, faltando apenas algumas voltas para o fim é mostrada uma placa aos dois pilotos com a ordem para manterem suas posições (algo como "tragam as baratas pra casa", nada parecido com o atual bordão "fulano is faster than you").

Mas não foi o que aconteceu. Pironi atacou e passou Villeneuve na última volta, e venceu. Daí a cara de decepção de Gilles, que imediatamente cortou relações com o francês. Foi o primeiro pódio da equipe na temporada. Mas,este mal-entendido não duraria muito tempo. Aquele seria o último pódio, e aquela a última corrida de Villeneuve, que morreria duas semanas depois, nos treinos para o GP da Bélgica, em Zolder.

Mas, a história não parou por aí. Pironi chegaria à Hockenheim como favorito ao título. Mas, um acidente com Alain Prost ainda nos treinos livres tirou o francês do restante da temporada. Perdeu o título quase certo para Keke Rosberg, e nunca mais voltou a guiar um carro de F1.

2 comentários:

  1. Algumas versões dão conta que por esta briga, a concentração do Gilles decaiu e este foi o motivo do acidente.

    ResponderExcluir
  2. Ron, não li nada comentando isso (ainda), mas, imagino que possa ter grande influência no ocorrido em Zolder sim.

    Faz todo o sentido do mundo.

    ResponderExcluir