5 de março de 2012

Aprendiz



François Cevert estreou na Tyrrell em 1970. Não foi fácil. Seu companheiro de equipe era ninguém menos que Jackie Stewart. Seria seu professor e amigo. O melhor. 

Mas o francês logo mostraria que não era um simples piloto alçado pela gigante Elf. Tinha talento. Em 1971 viu Stewart sagrar-se bi-campeão, e venceu sua primeira e única corrida na F1, em Watkins Glen. Em 1972 o destaque ficou por conta do segundo lugar nas 24H de Le Mans, com um Matra Simca.

Em 1973 estava no auge de sua velocidade. Pronto para ser campeão. E Jackie Stewart sabia disso. Tanto que, planejava secretamente a sua aposentadoria ao final da temporada. François Cevert seria o piloto principal da Tyrrell em 1974.

Mas o destino (sempre ele) não quis. Na última prova da temporada, na mesma Watkins Glen, veio o acidente. A F1 perdia dois grandes pilotos em um mesmo fim de semana. Cevert protagonizou um dos acidentes mais brutais de todos os tempos. O amigo e companheiro Jackie Stewart, já tri-campeão, não largaria para a sua centésima e última corrida.

Retribuiu a reverência e o respeito. Marcas registradas do seu aprendiz.

2 comentários:

  1. hehehe, um pouquinho de maldade... Jackie é o amigo feio do Cevert, aquele que chama a atenção... Mas pelo menos, chamava a atenção porque era genial ao volante.

    ResponderExcluir
  2. Realmente você ter como companheiro de equipe nada mais nada menos que o mestre Jackie..fica complicado..Acredito que Cevert seria campeão, pois tinha um talento enorme..mas são coisas da vida..

    ResponderExcluir