12 de março de 2012

Fidelidade



Jim Clark e Colin Chapman em Brands Hatch, 1964.

Já li em algum lugar que o escocês poderia ter sido campeão mais vezes. Concordo. Mas optou por permanecer fiel à Lotus até sua morte em Hockenheim. Independente do carro que tivesse nas mãos. Uma questão de princípios. Algo que vai além dos atuais contratos milionários.

Outros tempos. Como já disse aqui, melhores.

Um comentário:

  1. Ai já nem é coisa de outros tempos, mas sim de outro caráter... Gente muito boa da época trocou de equipe, nada contra, mas o exemplo de Jim Clark é sem dúvida muito digno.

    ResponderExcluir