23 de abril de 2012

Professor




Alain Prost em Mônaco, 1991.

O francês era acostumado a jantar seus companheiros de equipe: René Arnoux, Niki Lauda, Keke Rosberg e Stefan Johansson foram algumas de suas vítimas. 

Até que apareceu um tal de Ayrton Senna...

Não que fosse impossível alcançar Senna. Os duelos mostram que não. Em condições normais e com o carro certo, Prost era imbatível. E foi justamente esse o combustível de Ayrton.

"Eu tinha de vencê-lo", diria.

E a resposta de Prost não deixava dúvidas: "Ayrton corria riscos demais".

A lição foi aprendida. Com perfeição.

Um comentário:

  1. Acho que foi a maior rivalidade de todos os tempos. Posso estar enganado, mas leva jeito.

    ResponderExcluir