2 de setembro de 2012

Spa, espetacular

(E Button estragou a melhor corrida do ano) O inglês largou em primeiro e chegou em primeiro. Mas sua comemoração ao final da corrida foi como comemorar gol em pelada. Não valeu. Explico.


Na largada, Maldonado tentou roubar a cena. Ainda com farol vermelho, olhou para os lados, viu que não tinha ninguém atravessando e mandou bota. Queimou a largada por alguns minutos. Mas o show era de outro lambão, Romain Grosjean, que protagonizou uma cagada federal. Fechou Hamilton absurdamente em plena reta e acabou por provocar um acidente que, se não teve consequências mais sérias foi por pura sorte dos envolvidos. Como resultado, Alonso, Pérez, Hamilton e Kobayashi (além do próprio Grosjean) estavam fora ainda na primeira curva.

Safety Car na pista. Muita gente se beneficiou da confusão para ganhar posições. A dupla da Force India se destacou. Hulkenberg saiu de 11º para 3º e Di Resta pulou de 9º para 4º. Além deles, Schumacher saiu de 13º para 5º e Senna de 17º para 8º.

Na saída do Safety Car, Maldonado aprontou mais uma. Depois de passar pela confusão da largada apenas com o bico quebrado, deu em Glock, quebrou o bico de novo e abandonou. Vida que segue, coitado. Lá na frente, Hulkenberg arriscou e passou Räikkönen. Pouco depois Schumacher também passou o finlandês, e começou a sonhar com o pódio. Enquanto isso, Button abria vantagem, soberano lá na frente. Chato que só ele.

Di Resta abriu a primeira janela de pits. nada de especial aqui, a não ser Schumacher, resistindo bravamente aos ataques de Vettel. Fez jogo duro e... Pode ser punido por isso. Se for, vai ser uma baita sacanagem. Hoje se pune por tudo nessa merda! Até por se defender uma punição, pelamor...

Depois da segunda janela de pits, o destaque foi para o duelo de Räikkönen e Schumacher. O finlandês passou, o alemão respondeu e Räikkönen, não satisfeito, protagonizou uma ultrapassagem antológica. Emparelhou com o alemão no mergulho da Eau Rouge (sim, isso mesmo!) e passou. Foi bonito pra caralho! Como o passão de Häkkinen em 2000.

Sobre os brasileiros, Bruno Senna fez boa corrida, na minha opinião. Figurou a maior parte dela na zona de pontos, deu trabalho à dupla da Red Bull no início, mas foi vítima da péssima estratégia da Williams. Não tinha muito o que fazer. A equipe arriscou apenas uma parada, mas acabou por deixar o brasileiro sem pneus na parte final da corrida.

Massa terminou em um quinto lugar com um bom ritmo de prova. E só. Vale lembrar que todos os que ficaram no salseiro da largada, geralmente terminam à sua frente. Acho que era o dia de arriscar algo mais. Chegou próximo de Hulkenberg, e com carro para passar o forceíndico. Enfim, não passou.

Vettel, pra mim, foi o grande nome da corrida. Com Alonso fora, viu a oportunidade de subir na tabela, colocou a faca nos dentes e arriscou. Deu certo. Pódio, com direito a boas ultrapassagens (e olha que nem tem o melhor carro). 

Button, o campeão vaga-lume (expressão criada por mim durante a transmissão, e que será utilizada até o fim dos tempos), venceu e passou a sonhar com o título. Um dia ele acorda. Como disse lá em cima, se eu fosse ele, teria comemorado menos. Afinal, vencer em Spa nessas condições foi como comemorar o melhor resultado de Karthikeyan no ano. E olha que ele nem terminou a prova...

Nenhum comentário:

Postar um comentário