1 de outubro de 2012

Seis rodas

A discussão surgiu em um briefing antes de uma brincadeira de kart com alguns amigos. Quantos carros de seis rodas já existiram? Bom, a Tyrrell P34  foi o modelo mais famoso, disputando grandes prêmios entre 1976 e 1977. É também um dos carros preferidos deste blogueiro (tanto que, a foto aí embaixo está em alta resolução, de presente).




Mas ele não foi o único...

Na mesma época, a March apareceu com o protótipo 2-4-0, que trazia quatro rodas motrizes do mesmo tamanho na traseira. A trapizonga chegou a testar em Silverstone, mas como a equipe passava por dificuldades financeiras, o projeto foi abandonado. Ainda bem. Era feio o negócio.



Ainda em 1977, a Ferrari foi outra que resolveu inventar. O 312T6 também trazia quatro rodas na traseira, mas... Em um mesmo eixo! Niki Lauda e Carlos Reutemann testaram o modelo em Fiorano e o condenaram. Difícil de pilotar, lento, e feio pra caralho eram as justificativas.



A última das aberrações foi o modelo da Williams. Patrick Head basicamente enfiou mais duas rodas no carro campeão de 1981, o FW07. Alan Jones testou, gostou e motivou Head a seguir com o desenvolvimento no ano seguinte.



Nascia então o FW08.

Acontece que em 1982 a FIA alterou o regulamento, diminuindo o peso mínimo para 580 kg. Algo que, evidentemente, era inviável para um modelo com 6 rodas e três eixos. 

Enquanto trabalhava a redução de peso do modelo, a equipe simplesmente tirou um dos eixos e passou a utilizar o carro durante a temporada. Era o FW08C, com o qual Keke Rosberg foi o campeão naquele ano. Coincidência?

O carro se transformou em um verdadeiro foguete. Durante testes em Donington e Silverstone, Keke Rosberg cravou tempos de outro planeta. Porém, o acidente fatal de Gilles Villeneuve em Zolder, fez com que a FIA proibisse os carros asa e os modelos com seis rodas...

Um comentário:

  1. Aberração é a palavra correta pra isto ai.
    Mas a Tyrrel ainda é simpática.

    ResponderExcluir