26 de novembro de 2012

Gp Brasil - Corrida (2)

(É, só saiu hoje. E, vamos por partes) Vettel estava cagado de urubu ontem. Quem viu a primeira metade da corrida teve a certeza de que não era o dia do alemãozinho. Ainda na primeira volta foi acertado por um Bruno Senna bêbado, ficou ao contrário, e voltou em último. Deve ser preocupante quando você se vê atrás do Karthikeyan, ainda mais numa corrida valendo título.
Aqui, um parêntese. Bruno Senna, poderia ter decidido  título com a cagada. Se o faz, enterraria a sua carreira ali. Onde já se viu, dividir a curva com o líder do campeonato debaixo de um aguaceiro da porra na última corrida?! Pode usar a desculpa que for. Fez merda.
Mas Vettel foi buscar. Na oitava volta, já estava em oitavo. Duas voltas depois, já estava em sexto, e acompanhava Massa e Alonso de perto.

Aí começou a chover. Button, Hulkenberg e Massa ficaram na pista. Já o incrédulo alemãozinho foi para os boxes colocar pneus intermediários, assim como Alonso e metade do grid.

A chuva parecia que não ia dar trégua, e a Ferrari chamou Massa para calçar os intermediários. Alguns minutos depois, a chuva parou, e Massa, assim como Vettel, Alonso e metade do grid colocou pneus de pista seca, de novo. Até aí, o alemão comboiava Alonso. Se o espanhol entrasse, ele ia atrás, se errasse o caminho, ele ia atrás também...

Na 23ª volta o Safety Car foi acionado devido a detritos na pista - que acabaram furando o pneu traseiro de Rosberg, duas voltas antes. Na relargada, Kobayashi colocou a faca nos dentes e passou Vettel. O endiabrado japonês chegou a passar Alonso também, mas tomou o troco uma volta depois.

Duas voltas depois, Massa chegou novamente nesse bolo. Primeiro passou Vettel, e depois, Kobayashi. Sem maiores dificuldades. O brasileiro era outro que estava endiabrado.

Enquanto isso, os ponteiros - com anos luz de vantagem - se alternavam. Button, Hamilton, Button, Hulkenberg e - na volta 48Hamilton de novo, depois de uma escapada de Hulkenberg. O alemão (outro que estava com as macacas) tentou dar o troco no inglês na freada do S do Senna, mas perdeu o carro e acertou Hamilton. Resultado: os dois fora e Alonso em terceiro, atrás de Massa. Repetindo: Alonso em segundo. Pronto.

A porrada foi a deixa para a Red Bull chamar Vettel para os boxes. Com a decisão, a equipe deixou de marcar Alonso e arriscou. Arriscou alto. O alemão teria de remar tudo de novo.

Aí o cara mostrou que merecia. Com uma frieza que chegava a dar raiva, foi passando um a um, com a fca nos dentes. Em dado momento, seu engenheiro só faltava implorar "pelo amor de Deus, vá mais devagar, não precisamos disso. O tíulo é nosso. É tri, é tri!". Mas o alemãozinho não tirou de dentro e seguiu avançando.

Foi só Vettel passar Schumacher (que só faltou estender um tapete vermelho para o conterrâneo) para Di Resta acertar o muro na subida do café -  brochada de meio mundo nesse momento - e a prova terminou com todo mundo atrás do Safety Car.

Título mais do que merecido.

Vettel superou a porrada da largada, o pneu faltando na parada, a inconstância das condições de pista e o bom desempenho dos carros da Ferrari. Se por um lado foi conservador demais no inicio, arriscou com a categoria de poucos no final. Andou no fio da navalha.

Foi isso.

Daqui a pouco falo de Massa, de Hamilton, de Alonso e do resto...

Nenhum comentário:

Postar um comentário