18 de março de 2013

(E)mpolga ou (E)rro?

(Onde vamos parar?) A FIA divulgou por esses dias uma lista das oito cidades que receberão a Formula E, categoria com carros elétricos que tem estréia prevista para 2014. No informe veiculado pelo site Grande Prêmio, consta que o regulamento técnico já foi finalizado, assim como a lista das cidades que sediarão as provas. São elas Rio de Janeiro, Londres, Roma, Los Angeles, Miami, Pequim, Buenos Aires e Putrajava (essa aí, lá nos cafundós da Malásia).

O principio básico é utilizar somente um dia para a realização de todo o evento. Que inclui um treino livre, um treino classificatório e uma corrida com 45 minutos de duração, sendo obrigatórias duas paradas para a troca de carros (Sim! Eu não escrevi errado. Você leu troca de carros mesmo!).

Os circuitos ficarão em áreas centrais - visando facilitar o acesso do público - tendo os cartões postais locais como plano de fundo das etapas (aqui no Rio, por exemplo, a prova acontecerá no Aterro do Flamengo).

A minha opinião disso tudo?!

Uma grande merda!

Carro de corrida que precisa ser trocado durante a prova? Não existe! Carro de corrida com barulho de carrinho de controle remoto? Não existe! Circuitos de rua no meio de grandes centros urbanos que não possuem infraestrutura nem mesmo para o transporte diário? Não vai dar certo (ou pelo menos, não por aqui)!

Enfim, aí embaixo tem um vídeo promocional da categoria.

Tirem vocês suas próprias conclusões.

3 comentários:

  1. Considero uma EXCELENTE ideia. E não porque é melhor. É porque é inevitável. O combustível fóssil está em vias de extinção, e TEREMOS QUE partir para a eletricidade. Variedade é a melhor coisa que pode existir no automobilismo. O bom da Formula 1 no passado, assim como as diversas categorias clássicas, era poder ter motores e chassis diversos na pista. Se hoje tudo deve ser homogeneizado nas categorias em função da competitividade, que a variedade apareça na forma de diferentes categorias! Se a ideia vingar, será um excelente laboratório para os carros de rua. Sim, ainda está "na idade da pedra" trocar de carros no meio da corrida... mas a evolução tecnológica está aí pra isso mesmo: melhorar a carga das baterias e a eficiência dos carros.

    ResponderExcluir
  2. Considero uma EXCELENTE ideia. E não porque é melhor. É porque é inevitável. O combustível fóssil está em vias de extinção, e TEREMOS QUE partir para a eletricidade. Variedade é a melhor coisa que pode existir no automobilismo. O bom da Formula 1 no passado, assim como as diversas categorias clássicas, era poder ter motores e chassis diversos na pista. Se hoje tudo deve ser homogeneizado nas categorias em função da competitividade, que a variedade apareça na forma de diferentes categorias! Se a ideia vingar, será um excelente laboratório para os carros de rua. Sim, ainda está "na idade da pedra" trocar de carros no meio da corrida... mas a evolução tecnológica está aí pra isso mesmo: melhorar a carga das baterias e a eficiência dos carros.

    ResponderExcluir
  3. Não desisti completamente da ideia...mas há certas coisas que não se deve alterar pois são elas que definem o que é automobilismo...e a Fórmula E está começando a me (E)ncomodar com algumas de suas ideias...o fato é ela vai rolar, mas do jeito que está eu não vou gastar meu tempo com ela.

    ResponderExcluir