17 de março de 2013

Na terra dos Cangurus [2]

(Antes tarde do que nunca) Não vi o treino de classificação, assim como não vi a corrida hoje. Mas, como acordei e fui logo ver o VT - antes mesmo de ler jornal, acessar feicibúqui ou tuíter, tomar café ou lavar o rosto - não sabia de nada do que tinha acontecido. Nem mesmo SE tinha acontecido. Então, é como se eu tivesse visto ao vivo, na hora que eu queria.

Portanto, poderia tranquilamente fazer uma análise volta a volta da corrida. Mas... Não. Todo mundo faz isso e eu acho uma merda.



Falemos do que vale a pena, somente.

Vettel largou e sobrou na frente. Pelo menos no início. E por um momento deve ter pensado que estava sobrando (eu mesmo pensei). Sifu. Não está. A Ferrari demorou apenas 9 voltas para mostrar que tem sim, carro para brigar com os touros vermelhos.

Parece que acertaram na mão do carro, os italianos. Alonso continua tirando coelhos da cartola - como costuma "mitar" Galvão durante as transmissões - como tirou hoje como lance de antecipar a troca de pneus. O espanhl poderia inclusive ter vencido, como vocês entenderão aí embaixo. Sobre Massa, bom, é um outro piloto. Melhor, diga-se.

Vão andar na frente, ambos.

Os mercêdicos também evoluíram, e eu reitero o que disse ontem: os germânicos têm sim, o melhor carro desde a era Fangio. Amílton mostrou combate durante toda a prova, e terminou em um bom quinto lugar. Mas falta confiabilidade, já que Rosberg ficou pelo caminho.

Podem incomodar.

Falando de inglês, falemos da McLaren... Ah, a McLaren. Vai dar gosto ver até onde vão chegar o campeão vaga-lume e o mexicano mascarado com essa carro "coxinha" que têm esse ano.

Vão... Bem, não sei exatamente pra onde vão.

Agora, Räikkonën.

Sim, não vou falar da Lotus, que parece estar exatamente no mesmo patamar no qual terminou o ano passado. Assim como o finlandês, que não mostrou nada diferente do que sempre foi. Oportunista, rápido e frio.

Não fez milagre.

Andou forte no início para acompanhar o ritmo dos ponteiros, os pneus aguentaram somente duas paradas e ele soube se aproveitar disso. Arriscou, eu diria. Arriscou e venceu. Como poderia não ter vencido, o que jogaria a corrida no colo de Alonso.

Outro que arriscou foi Sutil, que chegou a liderar com (o que parece até aqui) uma modesta Force India. Se para o forceíndico a tática também funcionasse, estaria no pódio. Não deu.

E foi só.

Do resto, não vi muito. E, mesmo que tivesse visto, o que falar de Giedo Van Der GardeMax Chilton, Charles Pic e eticétra?

Nada!

Um comentário:

  1. Foi só a primeira corrida e é muito cedo para apontar algo ou alguém sobrando ou andando de menos.

    Cada prova é uma história.

    ResponderExcluir