22 de abril de 2013

Waardicas [2]

(Sono, muito sono) A corrida até que foi boa viu?! Tá, não foi pra tanto assim. Mas teve seus momentos. Vettel venceu sem graça nenhuma, Pérez deu show ali na meiúca (!) e a Ferrari deu vexame com seus dois carros.

Aí embaixo, um pouquinho do que eu vi. E do que vale a pena ser comentado, só.

A largada foi boa. Bastante movimentada. Rosberg sustentou a ponta, e viu pelo retrovisor Alonso e Vettel se pegando. Alonso passou, e Vettel devolveu - ainda na primeira volta - para partir pra cima de Rosberguinho, coitado. Logo atrás, Massa se enroscou com Sutil. O resultado foi um pneu furado para o forceíndico e uma asa dianteira marromêno para o brasileiro, que, optou por não parar e seguir com aquela porra balançando.

Rosberg não demorou a ser ultrapassado por Vettel, AlonsoMassa, Di Resta e quem mais resolvesse encostar em sua asa traseira (ui!). Aliás, uma merda em ritmo de corrida, essa Mercedes. O outro mercêdico, Hamilton, só foi ser notado na metade da corrida. Por um momento, achei que nem tinha largado.

Daí em diante, tudo ficou meio previsível.

Vettel passou a abrir vantagem para Alonso, que por sua vez fazia das tripas coração para acompanhar o ritmo do moleque. Di Resta seguia em um bom terceiro lugar, enquanto Massa se arrastava em quarto, com a estratégia de "andar muito mais do que todo mundo com os pneus duros, parar depois, voltar na frente e ganhar a corrida".

Aí o DRS (ou, a assa móvel) do Alonso travou aberto (ou aberta), forçando-o a antecipar sua parada. Até aí tudo bem. Antecipou em umas voltas a troca de pneus e não poderia usar mais o DRS. "- Foda-se". Nada estava nada perdido até então, pensei.

Mas a dupla Ferrari/Alonso repetiu a cagada da Malásia. Sim, porque se a asa travou, era óbvio que se abrisse de novo, travaria aberta, pombas! Dito e feito. Na volta seguinte Alonso teimou em abrir a bagaça, e teve de voltar aos boxes para mais uns tapas. Na minha humilde opinião, uma parada desnecessária que tirou o espanhol de vez da prova.

A partir daí, o certo seria a Ferrai passar a trabalhar a corrida do Massa, fazendo-o marcar Vettel. E quando o brasileiro fez sua parada na primeira janela - junto com todo mundo - eu achei que era isso que estava acontecendo. Só achava. Porque o cara saiu de pneus duros (!) de novo, fodendo de vez com o fim de semana da Ferrari. 

Se foi uma decisão da equipe, o engenheiro não deve ter miolos. Se foi uma decisão do próprio Massa... Aí amigo, aí eu não falo mais nada, viu?!

Seguindo.

Com as duas Ferrari fora de combate, Vettel só tinha de se preocupar em como daria seu gritinho ao final da prova. E a parte animada do show ficou um pouco mais atrás. Ali, entre as duas McLaren.

Isso mesmo! Desde as primeiras voltas, Pérez e Button apareceram se enroscando pela pista. E, o mais impressionante: com o campeão vaga-lume sendo atacado pelo mexicano mascarado. "- É o fim dos tempos", exclamei na hora. E mesmo com alguns excessos de Pérez, confesso que foi divertido de se ver.

Isso se seguiu por toda a corrida praticamente, e merece um parêntese.

Se até ontem eu descia o cacete em Pérez, pelo menos hoje tenho de reconhecer que o cara mostrou o mesmo arrojo dos tempos de Sauber. De quebra, justificou seu soldo mclariano e acordou Button, que pode reagir e mostrar quem manda na casa, ou pode sucumbir à velocidade do mexicano.

Enfim.

Vettel venceu com homérica vantagem para Räikkonën (o come quieto. Que sumiu mais uma vez e chegou ali... Em segundo). Em terceiro cruzou Grosjean (esse parece que aprendeu). Di Resta (boa corrida, também) foi o quarto.

Hamilton - apagado durante toda a prova, só aparecendo para falar no rádio que "o carro estava uma merda, que o ritmo estava uma merda e que o mundo era muito injusto" - surgiu para roubar a quinta posição de Webber no finalzinho. Aliás, nada mal para quem viu o companheiro mercêdico sair na pole para completar apenas em nono.

Pérez também passou Webber e cruzou em sexto, enquanto Button foi somente o décimo (pra quem não sabe o porque de eu o chamar de vaga-lume, eis a explicação. Hoje foi a "corrida apagada").

Alonsoque fez uma parada extra só para dar um tapa na asa traseira e não pode mais usá-la durante toda a prova - salvou um oitavo lugar. Impressionante o que guia esse sujeito. Já Felipe Massa - e sua estratégia mirabolante - torrou pneus, errou estratégia e terminou apenas em 15º. Isso mesmo! Décimo quinto lugar com uma Ferrari. 

Mesmo com um furo de pneu antes da metade da prova, não justifica. Não mesmo.

Se ficou confuso, no final as posições foram: Vettel, Räikkonën, Grosjean, Di Resta, Hamilton, Pérez, Webber, Alonso, Rosberg e Button. São os 10 sobre o que vale comentar alguma coisa.

E antes de finalizar, duas curiosidades. 

Primeiro, foi interessante ver que só um carro abandonou a etapa do Bahrein. O "felizardo" da vez foi Vergne (ou Verme). E segundo, foi legal ver uma mulher no pódio. Dizem que, uma engenheira da Red Bull.

Alguém sabe quando uma mulher subiu no pódio? Mesmo que, como papagaio de pirata como hoje?

Um comentário:

  1. Barein é sempre muito sem sal ou açúcar. Quase impossível que ela fique totalmente boa. Mas de fato, algumas coisas valeram as horas de atenção.
    A moça da Red Bull estava meio deslocadinha ali no pódio não?!...

    Abs!

    ResponderExcluir