9 de maio de 2013

Montadoras Nacionais [Envemo]

Depois de tanto pesquisar sobre carros para algumas postagens daqui do blog, passei a ler cada vez mais sobre a indústria automobilística nacional, e descobri que há uma série de histórias bastante interessantes, e certamente desconhecida pela maioria.

Daí surgiu a ideia da série especial 'Montadoras Nacionais', onde a cada semana, sempre às quintas-feiras, falarei sobre uma montadora que o país já teve, e também sobre os principais modelos lançados por ela.

Pois bem, sem mais delongas, vamos inaugurar a série trazendo a história da paulista Envemo (Engenharia de Veículos e Motores).


Em 1979, o paulista Luís Fernando Gonçalves funda a montadora para realizar um sonho: produzir réplicas de seu Porsche 356 (1964) no Brasil. Com carroceria de fibra de vidro, montado sob um chassis encurtado de VW Brasília e utilizando o motor 1.6 refrigerado a ar emprestado do VW Fusca, nascia o Envemo Super 90 Coupe.

O legítimo 356 do próprio Luís Fernando foi totalmente desmontado, para que suas peças e carroceria servissem de molde para a carroceria que seria feita em fibra de vidro.

O cuidado no trabalho de reprodução e acabamento foi tão grande, que até hoje o Envemo Super 90 é considerado a melhor réplica de Porsche já feita - inclusive pela matriz alemã, em Stuttgart - Além disso, o modelo tinha alguns detalhes importados, utilizados no próprio Porsche, como o bigode no centro do capô, as lanternas dianteiras e traseiras e as maçanetas de porta. Tudo era importado direto da Alemanha.

O grande sucesso do Super 90 - que foi inclusive exportado para os Estados Unidos e Europa - fez com que a Envemo fabricasse a partir de 1981 também a versão Cabriolet (conversível) do carrinho alemão. Versão essa que foi amplamente aceita, sendo até a mais famosa por aqui.

Infelizmente, o alto padrão de fidelidade e acabamento das réplicas se transformaram em um alto custo de produção que, somado à retração do mercado automobilístico nacional fez com que a produção do Super 90 (coupe e cabriolet) fosse descontinuada em 1983, com um total de 202 unidades comercializadas.

Contudo, Luís Fernando ainda tentaria a sua última cartada com outra adaptação: baseado no jipe americano Cherokee Sport, utilizando a mecânica 4.1 da Chevrolet e utilizando um chassis do também brasileiro do jipe Engesa 4, nascia a Envemo Camper, em 1989.

Até 1994, a Camper utilizaria a motorização e o painel de instrumentos do Opala Diplomata, faróis e lanternas do primeiro Fiat Uno e lanternas traseiras do Chevette, sendo oferecida apenas na versão duas portas.

Em 1994 passou a ser oferecida também na versão 4 portas, e sofreu uma reestilização que contava com uma nova grade dianteira e com faróis, piscas e lanternas da picape D20, além do novo painel, que passava a usar o quadro de instrumentos do Kadett.

A motorização também sofreria alterações, sendo utilizados os 4 cilindros (gasolina ou álcool) que equipavam o Kadett e o Monza.

A Envemo tentou utilizar do poder de mídia da TV para divulgar a Camper na novela "Rainha da Sucata", da Rede Globo. Mas infelizmente as técnicas de marketing daquela época não eram tão desenvolvidas e o carro nunca recebeu o destaque que merecia.

Paralelamente à fabricação de seus veículos, a Envemo também atuava no mercado de personalização de modelos existentes no mercado. Utilizando-se da sua parceria com a Chevrolet, foi a responsável pelos fora de série Chevette Targa (mais invocado e conversível), Monza conversível e Monza SW (perua), Opala Envemo, entre outros.


Com a abertura das importações em 1990, a Envemo enfrentou sérios problemas financeiros devido a concorrentes do exterior oferecendo veículos com preços inferiores e qualidade igual ou superior. Numa tentativa de baratear os custos, transferiu sua fábrica para a zona franca de Manaus, mas acabou sucumbindo em 1995.

3 comentários:

  1. Há também umas camionetes grandonas, geralmente cabine dupla que eu não lembro o nome, mas que eram da Envemo e eram muito lindas.

    ResponderExcluir
  2. Foram boas tentativas de diversificar um mercado estagnado.

    ResponderExcluir
  3. Groo, pelo que eu li, a Envemo fabricou sim, modificações na D20 e na Veraneio (principalmente na carroceria/caçamba, mas não chegou a produzir nenhum carro além do Super 90 e da Camper.

    Vou pesquisar.

    ResponderExcluir