6 de junho de 2013

A trapaça de Brambilla

Vittorio Brambilla nunca foi um piloto espetacular. Mas era agressivo, e até bem rápido. Por esses adjetivos ficou conhecido na Fórmula 1 como "o Gorila de Monza".

Mas o gorila era atrapalhado também. Em sua única vitória na categoria, por exemplo, bateu o carro na linha de chegada ao largar o volante para comemorar. 

Isso já apareceu aqui, inclusive.

E há uma outra história bem curiosa envolvendo o italiano. 

Uma trapaça, na verdade.

Aconteceu em 1975, na Suécia.

Naquela época a cronometragem era marcada por uma célula fotoelétrica que ficava próxima à mureta dos boxes. Ou seja, quando o carro cortava o feixe produzido pela célula, a volta era fechada.

Pois bem.

Um funcionário da March revelou anos depois o que aconteceu naquele GP. Como era o responsável por mostrar a placa de tempos para Brambilla, ele aproveitava para passar a placa no sensor, fechando assim a volta frações de segundo antes de o carro laranja efetivamente cruzar a linha.

Foi o suficiente para o italiano enfiar 0.380s no segundo colocado (então a Tyrrell de Patrick Depailler) e cravar a única pole position de sua carreira. Era também a primeira da equipe March em cinco temporadas de existência.

Um comentário: