11 de setembro de 2013

Indianápolis

O modelo 637, da Ferrari (!), para a Fórmula Indy.

Era uma tentativa de Enzo Ferrari em rivalizar com a decisão da FISA, presidida por Jean-Marie Balestre, de adotar os motores V8 de 3,5 litros a partir da temporada de 1986. Depois de uma longa queda de braço e dos movimentos da Ferrari - que chegou a apresentar o carro, e inclusive testá-lo com Bobby Rahal em Fiorano - Balestre, Bernie Ecclestone e Enzo Ferrari enfim chegaram a um acordo.

Os motores seriam de 3,5 litros mesmo, porém não mais limitados aos V8. E, antes mesmo dessa regra começar pra valer, a Ferrari abandonou os planos de se aventurar na Indy.

Já pensaram no que isso poderia influenciar os dias de hoje?

5 comentários:

  1. Bela Ferrari. Pura força. E pintura sem adesivos de patrocínio, é quase outro carro. Belas também, porém triste naquele fim de semana de 11 de setembro.

    Influenciar? difícil de dizer...vamos aos extremos. Se desse muito certo, F1 sem Ferrari. Alguns anos talvez, mas voltaria a F1.
    Será que a Indy absorveria bem os vermelhos ? Mesmo dando certo?

    Se desse errado. Acho que não mudaria muito nem na F1 nem na Indy. Dom Enzo que não gostaria nada disso...teria que voltar. E contornar a situação.

    Sabe se a máquina foi bem nos testes?
    Será que andaria bem nos ovais?

    Curiosidade:
    No começo da F1 eram cinco ou seis provas...e tinha uma extra que era Indianápolis. Para poder dizer que o Campeonato era Mundial. Correto essa informação?

    Abraço


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nos treinos, pelo que se diz, foi um verdadeiro fracasso.

      Excluir
    2. Será?

      Quanto as outras perguntas?

      Excluir
  2. http://1.bp.blogspot.com/-ix9lOy0efAU/Tm1asGelH_I/AAAAAAAAATU/KeHWNOFUMQA/s1600/Luto%2BFerrari%2B11%2Bde%2Bsetembro.jpg


    http://images.forum-auto.com/mesimages/631760/monza44.jpg

    há 12 anos...

    ResponderExcluir
  3. Até porque, segundo consta, este carro era uma tremenda porcaria e faria a casa de Maranello passar vergonha em um dos seus maiores mercados.

    ResponderExcluir