11 de setembro de 2013

Kimi dentro

(E agora, Arnaldo?) Depois de semanas de especulações, a novela Ferrari-Räikkonën finalmente chegou ao fim. Com o anúncio da saída de Felipe Massa, ontem, só faltava a equipe confirmar o retorno de Kimi Räikkonën. Afinal, já não era novidade para ninguém. O finlandês foi confirmado para as próximas duas temporadas, formando com Alonso uma das duplas mais fortes de 2014.

Uma surpresa, sem dúvida.

Afinal, a Ferrari não costuma colocar dois galos no mesmo terreiro desde 1990, quando Prost e Mansell dividiram a equipe. De lá pra cá, as escolhas em Maranello foram feitas com uma definição bem clara entre primeiro e segundo pilotos. Foi assim com Alesi e Prost, depois com Berger, contratado para ser escudeiro de Alesi, Irvine e Barrichello com a missão de apenas comboiar Schumacher, e Massa como babador oficial de Schumacher, e a partir de 2010, de Alonso. A coisa só foi diferente de 2007 a 2009, quando tanto Räikkonën quanto Massa chegaram a disputar o título. O finlandês ficou com o caneco de 2007, enquanto o brasileiro amargou o vice de 2008.

A nova combinação pode dar uma merda federal, é verdade. Uma hecatombe, a Terceira Guerra Mundial e o caralho a quatro (basta lembrarmos do que o mesmo Alonso viveu na McLaren, em 2007). Afinal, são dois campeões mundiais - a última vez que isso aconteceu na Ferrari foi em 1953, com Farina e Ascari - com personalidades bastante fortes (e distintas) dividindo a equipe mais centralizadora e tradicional do grid.

Mas pode dar certo, também.

O talento e velocidade de ambos são inquestionáveis. Mas eu digo que a coisa pode funcionar mais pelo fator equipe. Explico. A Ferrari tem grana praticamente infinita para o desenvolvimento de um carro de corridas, e com um ou outro ajuste interno - a chegada de James Allison pode ser um indício - a coisa pode sim funcionar. Se formos considerar o novo regulamento e a uma dupla de campeões, me parece que estão preparando o "pulo do gato", um "dream team". Algo como a McLaren fez em 2007, quando acabou perdendo o título para ela mesma.

Basta saber se na prática as peças se encaixarão como na teoria.

Um comentário:

  1. Notícia nada confortável essa. Mas pode ser que todo nosso pessimismo nem chegue a acontecer. Só resta esperar, não é?
    Eu acho que é uma dupla muito boa e pode até ser divertido tudo isso. ^^

    Abs!!

    ResponderExcluir