30 de outubro de 2013

"A McLaren queria Piquet para 88"

(Vai dar o que falar...) Vi no site do Tazio, do portal UOL, uma matéria baseada nas declarações recentes dadas por Alain Prost para o canal britânico Sky Sports. Segundo ele, a McLaren queria Piquet para a temporada de 1988, e foi ele mesmo, Prost, quem indicou Senna para ser seu companheiro. Aí embaixo, um trechinho:

"Eles queriam Nelson. E Nelson era um bom amigo, sempre fomos próximos, enquanto eu mal conhecia Ayrton. Mas eu falei: por que Nelson? Se vocês querem uma equipe forte, peguem o melhor e mais jovem para o futuro. Peguem Ayrton. Todos olharam para mim e perguntaram por que eu queria Ayrton. E eu disse: é pelo interesse do time"

A matéria é longa e bem interessante. Prost fala sobre os principais fatos que marcaram a rivalidade entre os dois. O favorecimento da Honda, a decisão de deixar a McLaren ao final de 1989, os acidentes em Suzuka, o veto na Williams, a pressão da Renault para contratar Senna, a aposentadoria, a reaproximação em 1993 e até sobre a morte do brasileiro. Outro trechinho:

“Em novembro de 88, lembro de ter tido uma estranha conversa com o presidente da Honda em um jantar, porque eu disse que sentia que a Honda estava favorecendo Ayrton. Ele me respondeu: ‘Eu sei, eu sei. Temos uma nova geração de engenheiros que gostam de Ayrton’. Eu questionei: Há uma forma de mudar isso? Para mim, é muito difícil"

Vale a pena perder uns minutinhos. Para ler a íntegra, basta clicar aqui.

2 comentários:

  1. Eu já tinha ouvido essa história há alguns anos. O que o Prost não disse, é que ele "vetou" o Piquet, porque ele imaginava que seria muito mais difícil pra ele, com o Nelson na equipe. Não que ele, de fato, não reconhecesse o talento do Ayrton, mas o Nelsão tinha acabado de ser tricampeão, destruindo o coitado do Mansell psicologicamente, mesmo tendo que brigar com a equipe inteira, e o Ayrton ainda era só um jovem promissor. Talvez ele tivesse se lembrando de 1983, de como perdeu o título, de como o Nelson foi crescendo no campeonato, e os joguinhos mentais que ele fez na época. O Prost era bom nos bastidores, mas o Piquet ia transformar a vida dele em um inferno, dentro da equipe, igualzinho fez com o Mansell. No fim das contas, o Porst preferiu o Senna achando que ia ser mais fácil, e se fudeu. De qualquer jeito teria perdido aquele campeonato... hehehehehehehehehe

    Agora imagina que engraçado que ia ser se o Nelsão faz com o Prost aquela mesma sacanagem que ele fez com o Mansell no México, sumindo com o papel do banheiro, hein? Só de imaginar eu já morro de rir...

    ResponderExcluir
  2. Acho que os engenheiros japoneses viram um potencial incrível no Senna.Ele também conseguiu fazer os japoneses trabalhar pra ele.Piquet falou desse dificuldade na Williams.Mansell era um inglês numa equipe inglesa, e ele um brasileiro numa equipes inglesa.

    ResponderExcluir