7 de outubro de 2013

Coreânicas [2]

(Dia cheio...) Como havia adiantado, não vi a corrida. Mas, vi o vetê no SporTV, na íntegra. Ou seja, vi praticamente ao vivo, com a diferença de já aber tudo o que ia acontecer, por já ter lido nos blogs da vida.

Pra começo de conversa, no sábado deu o óbvio. Vettel fez a pole com Hamilton ali, no encalço. E no domingo, o alemãozinho sumiu logo na primeiras voltas, ao andar como se não houvesse amanhã. Como a turma gosta sempre de lembrar de Senna, ISSO é valido dizer. Era um dos que usava exatamente essa tática de "pole + primeiras voltas assustadoramente rápidas" para andar tranquilo, sozinho lá na frente. 

Vettel pode receber o quarto caneco já em Suzuka, semana que vem. Sim, porque campeão ele já é, mesmo.

Mas, falemos da corrida.

Começando com Grojã. Eu sempre defendi o espigão, ao dizer que têm cada vez mais refinando sua tocada. Sim, porque rápido ele sempre foi. Só faltava não fazer cagadas em primeiras voltas. E não faz mais. Na Coréia, largou em terceiro, e dividiu curva com Hamilton para assumir o segundo lugar. Com autoridade. Foi o destaque positivo. O negativo foi Massa, que rodou sozinho na freada da curva 2. Apertou demais o pé no pedal da esquerda, a traseira travou e quis passar à frente. Fez merda, sozinho, e quase tira da corrida Alonso e mais uma boa turma.

Com o salseiro armado por Massa, os maiores beneficiados foram Dnaiel Ricciardo e, pasmem, Maldonado. O primeiro largou em 12º e jantou 6 posições, ao aparecer em 7º, enquanto o segundo, largou em 18º para cruzar a primeira volta em 9º. Desconfio que seja, portanto, a largada mais fantástica de toda a temporada.

Na volta 26, um dos lances mais estranhos da corrida. Briga interna dos mercêdicos. Rosberg, que voava atrás de Rêmilton, fez tudo certinho: pegou o vácuo, abriu asa, tirou de lado e, quando foi passar, a asa dianteira envergou e ficou arrastando no chão. Quebrou, mesmo. Um troço esquisito pacas! Resumo, o biquinho do Rosberg fodeu com a corrida dele, que teve de parar nos boxes para trocar a peça, e de Hamilton, que já estava nas últimas com os pneus e teve de se arrastar mais uma volta na pista.

Aí, duas entradas do Safety Car embaralharam as coisas. Na primeira, para limpar a pista depois do furo do pneu dianteiro de Pérez, Räikkonën se deu bem por ter antecipado sua parada. Enquanto todo mundo foi para os boxes, ele ficou na pista, todo pimpão, em terceiro.

Na relargada, outro acidente. É uma coisa meio óbvia. Depois que junta o bolo todo, a galera lá de trás vê a chance de tentar acompanhar os da frente. Freios frios, pneus frios, todo mundo junto. É quase como uma largada, e a chance de dar merda é enorme, sempre. E dessa vez deu. Sutil perdeu o controle do carro e veio, como uma bola de boliche, para acertar os pinos. O único que caiu foi Webber (no caso, o "caiu" significa acertado). E mais. Enquanto Sutil seguiu na corrida (!), Webber andou alguns metros até seu carro pegar fogo! De novo, pela segunda corrida consecutiva. 

A quem eles querem enganar?

Räikkonën, malandro que só ele, jantou Grojã quando ninguém via, pouco antes da bandeira amarela. Na relargada, Vettel era seguido da dupla preta e dourada (com Räikkonën à frente), e atrás deles Hulkenberg, Hamilton, Alonso, Button e Rosberg, Button e Pérez (acho).

Daí até o final, o destaque foi de Hulkenberg, mais uma vez. Vêm fazendo corridões esse garoto, enquanto Massa rodopia por aí. É, candidatíssimo a assumir a vaga da Lotus. Se não for, que fechem a equipe de vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário