12 de novembro de 2013

As mudanças para 2014

(Tudo novo, de novo) Temporada chegando ao fim, Títulos de pilotos e construtores já definidos... Chega a hora de pensar em 2014. O assunto do momento é o mercado de pilotos, que anda sim, agitado. Mas não são tão fartas assim as informações sobre o que muda nos carros da temporada que vem. As novas regras são interessantes e, podem realmente significar o pulo do gato para uma ou outra equipe, como um tropeço para outras.

Aí embaixo, as principais mudanças, com os meus comentários em itálico.

MOTORES TURBO
Os carros utilizarão motores V6 1.6L turbo, com 15.000rpm de limite. Serão menores, mais altos e cerca de 60Kg mais pesados do que os atuais V8 de 2.4L, com 18.000rpm. A potência (atualmente na casa dos 750hp) deverá ser reduzida, e o limite de unidades por temporada cairá de 8 para 5. De ruim, só o barulhinho de máquina de furar. Ô saudade dos V10 e V12.

PESO
Ainda falando do peso, o limite mínimo será de 690kg, contra os 642kg atuais (incluindo carro, pilotos e fluidos). A distribuição de peso também será fixa, somente para 2014, com 314kg na dianteira e 369kg na traseira.

COMBUSTÍVEL
Os novos motores terão injeção direta e limitação de fluxo de combustível. Além disso, a capacidade do tanque será reduzida dos atuais 150/160kg para 100kg, que significa uma capacidade de pouco mais de 100 litros, considerando que a densidade da gasolina varia por volta de 0,75 kg/l. A economia será crucial. E eu não descarto abandonos por conta de pane seca no fim das corridas.

ASA TRASEIRA
Terá sua incidência reduzida; com o ângulo máximo para todas as corridas sendo semelhante ao adotado em 2012-2013 no circuito de Monza. Outra novidade é a eliminação da "beam wing", uma pequena asa que serve de suporte inferior para a asa traseira dos carros atuais. Por mim, acabava também com o DRS.

ASA DIANTEIRA E BICO
A asa dianteira será cerca de 15cm mais estreita do que as utilizads em 2013, e os bicos serão mais baixos, estando limitados a uma altura máxima de 185mm, frente aos 550mm atuais. Além disso, estão proibidos quaisquer apêndices aerodinâmicos sob a frente do carro, assim como os atuais "degraus". Sempre gostei dos bicos mais baixos. Pior do que os atuais não podem ser.

ESCAPAMENTO
Os dois escapamentos atuais serão substituídos por uma saída única, que deverá ser posicionada no centro da carenagem, por baixo da asa traseira. Nela, não serão permitidas peças como tubos ou canos que desviem os gases do escapamento. Além disso, os últimos 150mm terão uma inclinação de 5 graus. Será que teremos de volta a fixação da asa traseira com uma barra central única, como antigamente?

CÂMBIO
Será de 8 marchas, e a relação de marchas utilizada será fixa, servindo para todas as etapas. Cada piloto poderá efetuar apenas uma mudança nesta relação em 2014. Além disso, a caixa de câmbio deverá durar 6 corridas. Uma a mais do que é praticado atualmente. Vai ser interessante notar o comportamento em pistas que exigem uma relação diferente, como Monza, Spa e Mônaco.

RECUPERAÇÃO DE ENERGIA
Os sistemas de recuperação de energia serão bem mais potentes do que o KERS, utilizado atualmente. A potência subirá dos 80hp despejados durante 6s7 por volta para algo em torno de 161hp, que poderão ser utilizados pelo período de 33s3 por volta. Prevejo ultrapassagens cada vez mais artificiais. Mas reconheço que é um avanço importante para a indústria automobilística.


O QUE EU ACHO DISSO TUDO?
Ainda falta definir como serão os pneus. Não achei informações quanto a isso. Mas, com uma asa dianteira menor, parte dos pneus dianteiros ficará exposta ao vento frontal, o que implicará em um maior arrasto aerodinâmico. A limitação da asa traseira também incidirá diretamente nos pneus, uma vez que com o downforce menor, a tendência é de que os carros saiam mais de traseira, também sobrecarregando os pneus. A adaptação do estilo de pilotagem mudará, de novo. Será interessante...

Mas, não sou engenheiro. Portanto, posso estar falando um monte de besteiras aqui.

E vocês, o que acham?

5 comentários:

  1. sinceramente acho que para nós, pobres mortais que apenas assistem e gostam de formula 1, o que Realmente nos afeta são duas coisas... o visual dos carros - quem não gosta de admirar a beleza deles (em especial os que colecionam miniaturas) - que se ficarem mais próximos dos do início da década de 90 melhor, e a competitividade, sendo grande pra mim ta legal... tem o fator barulho do motor, que sinceramente só faz Grande diferença pra quem vai ao autódromo... como infelizmente não é meu caso, não acho que vai afetar tanto assim o gosto pela F1...

    PS: o jogo F1 2014, esse sim vai ser interessante qndo sair

    ResponderExcluir
  2. Dando um update no meu comentário.. eu acho bem bacana essa discussão e análise sobre as novas regras e tals, ja li várias matérias sobre isso e vou continuar a ler, por que é muito bacana... parabéns pelo post, e nos mantenha atualizado Jaime!

    ResponderExcluir
  3. Al fin se terminan esas horribles trompas (picos) altas!!!!
    Espero ver F1 más bellos.
    Abrazos!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo post Jaime! Muito bom o estilo "notícia e em seguida em itálico a opinião". Muito bom mesmo.

    Pra mim, como tudo hoje em dia se resume a economia de combustível, era de se esperar a redução da potência dos motores. Eu não curto muito, pra te falar a verdade. Sou um verdadeiro fã dos beberroes e escandalosos V12 hehehe

    E quanto ao DRS, concordo contigo: Cada vez mais ultrapassagens artificiais. É um avanço para o automobilismo, sem dúvida, mas para puristas como eu, não é algo bem visto. Tenho só 17 anos, mas penso como o pessoal da antiga nesse sentido rs

    Abraço!

    ResponderExcluir