16 de março de 2014

Australopitacos [4]

(Muita coisa...) Convenhamos, não uma corrida surpresa e cheia de novidades e alternativas como todo mundo imaginava que seria. Mas, foi legal ver gente boa abandonando, gente nova andando rápido. E, após a bandeirada, algumas certezas.

A saber.

Mercedes é, atualmente, o carro a ser batido. Hamilton está cagado de urubu, mesmo, e vai ter trabalho para acompanhar Rosberg. A Ferrari não era isso tudo que estavam dizendo, e desconfio que sequer correram ontem. O garoto Kvyat, da Toro Rosso, é bom. Magnussen é melhor ainda. Ricciardo tem tudo para se dar melhor do que Webber. A Williams tem um bom carro, e pode ser isso tudo que estavam dizendo. Se reclamava de Alonso, Massa vai ter trabalho com Bottas, também.

Bom, falemos da corrida, então.

Rosberg largou com o pau na mão, e contornou a primeira curva à frente de Hamilton e Riccardão (ou "Ricardo" como disseram na transmissão. Algum piloto novo que não conheço). Quando os dois perceberam, Rosberguinho já estava longe, voando.

O alemão não quis nem saber, e em nenhum momento deu chances ao resto da turma. Ainda mais depois que Hamilton - o único com reais chances de ameaçá-lo - abandonou. Explico. Ainda na segunda volta, a equipe o chamou pelo rádio dizendo: "Pára! Pára que vai dar merda!". Hamilton, puto dentro das calças, até relutou, mas acabou obedecendo e levou o carro aos boxes. Alguma coisa no motor, acho. 

Aliás, uma merda essa regra de 5 motores por ano, que vai fazer muita gente abandonar assim, do nada, como Vettel também fez na volta 5, pelo mesmo motivo: "salvar o motor".

Palhaçada.

Mas, voltando à largada. A única porrada foi de Kobayashi em Massa. O nipônico verde saiu lá da casa do caralho para frear na traseira do brasileiro. Resultado: fim de prova para ambos. Massa putão, e Koba-mito pedindo desculpas pelo Twitter. A Caterham ainda soltou um comunicado dizendo que Koba teve problemas nos freios traseiros. Sei lá. Foi meio esquisito o lance.



Se Massa não teve sorte na sua corrida de estréia, o mesmo não se pode dizer do companheiro Bottas. Largou em 15º para fazer a primeira curva em 10º. Na sétima volta era o 7º, e na oitava jantou Räikkönen por fora, para ser o 6º. Quando colou em Alonso para jantá-lo com a mesma facilidade, na volta 10, sofreu a primeira mandinga do espanhol...

O glorioso finlandês escorregou, raspou o muro, tirou tinta, pneu, roda, suspensão, dignidade... Enfim, tudo. Se fodeu! Caiu lá para o fundão e teria de remar tudo de novo. Como o Safety Car teve de entrar na pista para que tirassem o pneu largado lá no meio da pista, o prejuízo não foi tão grande como poderia ser. 

A ordem era a seguinte: Rosberg, seguido de Ricciardo, Magnussen, Hulkenberg, Alonso, Button, Vergne, Räikkönen, Sutil, Kvyat, Maldonado, Ericsson, Grosjean, Chilton, Gutierrez, Bottas, Pérez e Bianchi.

Na relargada, Rosberguinho tratou de acelerar como se não houvesse amanhã, andando cerca de 1s5 mais rápido do que Riccardão. Como quem diz: "nem tenta, mano!". Riccardão nem tentou. Queria era que a bagaça terminasse logo. Afinal, para um carro que foi fiasco na pré-temporada, terminar a corrida de estréia em segundo era uma cagada e tanto. Fez um corridão, o garoto narigudo.

Em uma corrida à parte, Rosberg já tinha 11s de vantagem na volta 30. Pelo ritmo que teve, a essa hora já deve estar em Sepang, classificando.

No momento, a Mercedes é mesmo o carro a ser batido.

Depois da relargada a corrida ficou monótona, paradona, com todo mundo economizando equipamento e tentando chegar ao final. A única excessão foi Bottas, que tentando recuperar o terreno perdido fazia os diabos lá atrás. Passando por dentro, por fora, pelo meio... Na volta 20 já era o 10º de novo. Na 40, o 8º. Terminou em sexto, deixando claro que tinha carro para estar no pódio, e - quem sabe? - até brigar pela vitória, se não fosse a raspada no muro do início.



Foi o nome da corrida, o finlandês.

O que é, convenhamos, animador para mim, torcedor da equipe do tio Frank.

Enfim, Os dez pontuáveis foram Rosberg, seguido de Riccardão, Magnussen, Button, Alonso, Bottas, Hulkenberg, Räikkönen, Vergne e Kvyat.

Apenas 3 dos 8 motores Renault terminaram a corrida. Os dois carros de Lotus e Caterham abandonaram. Os dois da primeira, com problemas no ERS, os caterhânicos por sua vez tiveram problemas na pressão do óleo de Ericsson, além, claro, da porrada de Kobayashi no início.

Um comentário:

  1. Concordo com você.
    Foi empolgante nos primeiros 5 minutos e depois esfriou.
    Fico triste com o desempenho pra lá de apagado do Raikkonen, mas extremamente feliz com Magnussen.
    E viu que deu Mercedes! Juro que não tomei café nem comi sucrilhos, algo me diz que não será necessário mandiga esse ano

    ResponderExcluir