26 de maio de 2014

A arte da guerra

Ontem, em Mônaco, a relação entre Lewis e Nico azedou de vez.

O alemão atingiu o ponto fraco do companheiro.

A cabeça.

"A habilidade de alcançar a vitória mudando e adaptando-se de acordo com o inimigo é chamada de genialidade"

Aproveitando-se da particularidade de Mônaco, Nico pilotou como nunca, e não cometeu um erro sequer. Por isso Hamilton estava afoito, e reclamou horrores pelo rádio depois da sua troca de pneus.

Afinal, era a única chance de conseguir a ultrapassagem.

Na estratégia.

Mas o Sutil bateu...

Enfim.

Daqui pra frente não haverá mais o elemento surpresa.

Foi exatamente isso que Lewis quis dizer após a classificação, no sábado, quando declarou que: "gosta bastante do jeito que Senna lidou com a situação".

Só isso!

Hamilton não vai jogar o carro em cima de Nico, como Senna fez em 1990.

Mas já deixou claro que não vai facilitar.

A propósito, não acho que Nico tenha "errado de propósito". Como tenho certeza de que Lewis estava sim, na volta da pole, como declarou.

Afinal, é essa a sua principal arma.

O talento.

A velocidade.

No Canadá, ambos estarão em condição de igualdade.

Ou quase.

Lewis adora Montreal.

É um circuito rápido, técnico, que deve realçar ainda mais a vantagem da Mercedes.

Serão só os dois lá na frente.

E o melhor...

...A batalha será no dia do meu aniversário!

A imagem aí embaixo fala por si só.

Tudo pode acontecer.


Nenhum comentário:

Postar um comentário