18 de maio de 2014

Canadianas virtuais [1]

Ontem foi dia de corrida virtual. Montreal abriu a segunda temporada da Fórmula Light do clube F1BC. E eu de volante novo, corri, claro! Aí embaixo, como já é de costume, um resumo do que foi a minha corrida.

A regra de classificação mudou, e ao invés de duas voltas lançadas, agora temos direito a dar quantas voltas quisermos em um limite de 10 minutos. Sabendo disso, coloquei combustível para 5 voltas (1 e saída de box e mais 4 lançadas) e fui pra pista. na segunda volta, rodei e bati a frente do carro. Voltei para os boxes com o intuito de tentar um top 10 e tal... Mas, como do 11º em diante podemos largar com pneus novos - enquanto o resto tem de largar com o pneu que classificou - fiz a volta meio que de qualquer jeito e acabei batendo, de novo.

P13, podendo largar de pneus novos. Não foi um prejuízo tão grande assim.

No início, me estabeleci em P10, que com o abandono do Lizieri logo se transformou em P9. E, se por um lado não conseguia chegar no pelotão da frente, estava abrindo mais de 1s por volta em relação ao Leandro Tiossi, que estava atrás de mim.



Meus pneus supersoft duraram 10 voltas. Parei na volta 11, em 9º, com 7s de vantagem para o 10º - no caso, o Tiossi - e satisfeito com a minha primeira perna da corrida. Nenhum incidente, nenhuma escapada, andando mais que a turma de trás e não me distanciando muito da turma da frente. Ou seja, terminar entre os 10 primeiros era uma realidade, e, se desse alguma merda lá na frente, ainda dava pra beliscar umas posições.

Como a temperatura estava baixa, demorei um pouco para aquecer e me acostumar com o comportamento dos pneus médios. Do nada, as rodas começaram a travar nas freadas mais fortes. Pra tentar resolver, transferi um pouco do balanço dos freios para a traseira e passei a frear uns 20 metros antes do que estava freando. 

Resolveu...

Virei minha melhor volta na 18ª passagem, entrando na casa de 1m30s. Estava em P8, e tentando buscar alguém (a Daniele Ferraz, acho). Pela primeira vez na corrida, saí do meu ritmo confortável para tentar algo mais. Consegui uma escapada e um leve toque da traseira no 'muro dos campeões', que não chegou a afetar a dinâmica do carro, mas me fez torrar os pneus na rodada e perder uma posição na pista. Além, claro, de me desconcentrar totalmente.

Depois disso, tratei de sossegar e economizar pneus. Mas não teve jeito, eu teria de parar mais uma vez. Fiz isso na volta 22, e pus supersofts de novo, para andar rápido e tentar diminuir o prejuízo. Na quarta volta do pneu, veio minha melhor volta, com 1m30s4, depois, 1m30s7 e 1m29s6 na volta 28.

Completei a volta 32 em 10º, com 1m30s941, anos luz atrás do 9º e confortavelmente à frente do 11º (algo em torno de 20s, acho). Ou seja, era 'top 10' na certa, como eu havia planejado. Quando fechei a 32, diminui ainda na reta, parei o carro na beirada da pista, tirei os fones e tudo o mais. Procedimento padrão.

Mas, algo de estranho aconteceu...

Dois carros passaram por mim e a telemetria apontou que eu havia perdido duas posições. Ou seja, a corrida ainda não tinha acabado! Soltei um sonoro "puta que pariu" e tratei de acelerar de novo. Fiz toda a volta 33 me xingando horrores. Afinal, eram 2 posições e 3 pontos a menos na etapa de abertura por pura estupidez.

Andei como se não houvesse amanhã, e na reta final vi alguém praticamente parado há uns 50 metros da chegada. Na minha cabeça, pensei: "foda-se, vai dar pra passar!". Escolhi o lado interno da pista, pertinho do muro, e afundei o pedal do acelerador com toda a força que eu tinha, quando...

O cara simplesmente atravessa o carro na minha frente!

Outro sonoro "puta que pariu" pôde ser ouvido aqui em casa...



A porrada destruiu a frente do meu carro, e além da dignidade - que eu havia perdido ainda na volta anterior - foi-se aerofólio, bico, suspensão, tudo...

Menos mal que eu consegui voltar à pista e ganhar a bendita 11ª posição. 

Mandei um pedido de análise desse incidente para a direção de prova. Vamos ver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário