15 de junho de 2014

Silvas & Stones (2)

(Cheguei ao final, ao menos) Ontem foi dia de etapa virtual na categoria Fórmula Light do clube F1BC. Corremos em Silverstone, circuito que detesto desde que foi mutilado há alguns anos. E, exatamente por este motivo, eu não tinha a menor perspectiva de andar bem, de terminar a corrida e tal... Fui cumprir tabela, mesmo.

Não treinei quase nada durante a semana, e na véspera, quando peguei o carro para umas voltas, senti ele traseiro demais nas retomadas, uma coisa horrorosa que só consegui melhorar nas largadas teste, que acontecem minutos antes das etapas.

Explicado o meu total desinteresse para a corrida, vamos ao que aconteceu.

Durante a classificação, fiz o meu melhor tempo na pista (incluindo treinos e tudo o mais), um horroroso 1m48s200. É bem verdade que rodei na parte final da minha melhor volta, a quarta, quando estava uns 0s7 mais rápido. Mas não adiantaria nada, mesmo, já que o Rogério Ribeiro classificou exatamente na minha frente com 1m46s933.

Na largada, com receio de dar aquele merdelê típico da categoria, tirei o pé e deixei que todo me ultrapassasse antes da primeira curva. E não deu outra! Um acidente aconteceu bem no meio da galera, e mesmo eu lá atrás e bem mais lento, acabei pegando alguém atravessado na pista em cheio.



Deu pra frear, mas acertei o cara, e com isso o meu carro ficou meio torto, mas dava pra levar até a primeira parada para troca de pneus. Até lá, aprendi a domar as saídas de traseira e fiz uma corrida tranquila, sem erros e em um ritmo confortável. Pra se ter uma idéia, quando parei, estava em P11, e era um dos que mais economizava pneus na pista (fui um dos últimos a parar, fui saber depois).

Como aconteceu ainda nos treinos, o carro não se comportou muito bem com os pneus médios, que agravaram ainda mais as saídas de traseira nas retomadas. E, com os pneus mais gastos, tive muitas saídas de pista, que foderam com qualquer possibilidade de chegar mais na frente. Um desastre!

No fim, eu só queria chegar, mesmo... Afinal, a corrida - por mais pífia que tenha sido - foi muito melhor do que eu esperava. E ainda tive uns bons pegas com o Binho Zanetti, que na abertura da última volta, inclusive, estava bem perto e mais rápido do que eu, mas acabou abandonando com falta de combustível. Mais cedo, disputei posição com o Tiossi e o Pepe (de novo) e se não me engano cheguei a passar os dois em algum momento. Me diverti, enfim, e no fim das contas é isso que vale: se divertir. 

No campeonato não tenho muitas chances não, mas a equipe ainda briga por alguma coisa, acho. Ontem, o Rogério Ribeiro salvou o time com um bom P12. Considerando que apareceu gente comemorando um 14º lugar como se fosse vitória... Não foi tão mal assim.

Enfim.

Vamos pra Mônaco! Traçado que, por incrível que pareça, eu gosto pacas. Aliás, daqui pra frente é só coisa boa: depois de Mônaco tem Hockenheim, Hungria e Spa.

Ah, quase esqueço! Fechei a corrida em P16, com uma ultrapassagem sofrida na reta de chegada. Explico: meu pneu traseiro furou no finalzinho da volta e eu rodei, na última curva. Mas, ao contrário de "tentar chegar de qualquer jeito" - assumindo o risco de foder com a corrida dos outros - cruzei a linha de marcha à ré mesmo. Na pior das hipóteses dava pra ver quem tava vindo e desviar. Coisa com estilo, só pra quem sabe.



Aqui tem o VT da transmissão, em HD, para quem quiser assistir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário