27 de julho de 2014

Mogyorodicas (3)

Que corrida, essa que vimos hoje na Hungria. Quem apostava em vitória fácil de Rosberg, errou. Quem não apostava em chuva, errou. Quem não apostava em Hamilton no pódio, errou também. Quem não apostava em vitória de Riccardão e pódio de Alonso, vejam só, errou também! Quem diria que Hungaroring proporcionaria uma corrida dessas....

Ricciardo venceu pela segunda vez na carreira, e no ano, sendo o único "não mercêdico" a vencer em 2014. De quebra, tirou a possibilidade dos prateados de igualar a McLaren de 1988, ano em que Senna e Prost faturaram todas do ano menos uma.

Mas falemos da corrida e hoje.


A corrida começou mesmo na 8ª volta, quando SonyEricsson se esborrachou, sozinho, e o Safety Car teve de entrar na pista. Tirando os quatro primeiros - então Rosberg, Bottas Velttel e Alonso - todo mundo aproveitou para jogar os intermediários no lixo. Dentre eles  estava Hamilton, que largara dos boxes, tinha rodado na 1ª volta e já estava em 13º.

Na volta seguinte, os ponteiros pararam, e quando a corrida ia ser retomada Grojã bateu sozinho, no mesmo ponto que Ericsson. Sim, o sujeito conseguiu bater em regime de Safety Car! Tem andado muito com Maldonado, sabe como é...

A relargada aconteceu na volta 13, e os dez primeiros eram Riccardão, Button, Massa, Rosberg, Magnussen, Vergne, Vettel, Alonso, Hulkenberg e Pérez. Sendo que, desses, Button e Magnólia eram os únicos (da pista!) com pneus intermediários, e devem estar esperando pela chuva até agora. Tentaram o pulo do gato, passaram um ou outro carro nos primeiros metros, mas tiveram de parar logo depois. 

Duas voltas depois, Rosberg passou a ter problemas no carro e caiu para 7º. Hamilton já estava em 9º. Entre eles, Vettel. Não demorou muito para chegarem em Vergne, que se segurava com podia em um excelente 4º lugar. Lá na frente, Riccardão liderava, seguido por Massa (!) e Alonso.

Aí Pérez se esborrachou no muro dos boxes, depois de sair de traseira na última curva...



De novo Safety Car na pista, e de novo Ricciardo e Massa nos boxes. Bttas também entrou, e ambos os Williams - sabe-se lá por que cargas d'água - saíram com pneus médios. Mais uma daquelas estratégias que ninguém entende (nem eles!)... Sim, porque nenhum dos dois aguentaria mais de 40 voltas com o mesmo pneu, e de quebra, teoricamente, andariam mais devagar do que a turma toda calçada de pneus macios.

Na relargada, Alonso liderava, seguido por Vergne, Rosberg, Vettel, Hamilton, Ricciardo, Massa, Gutierrez, Raikkonen e Sutil. Lembrando que os únicos dessa turma com duas paradas eram Ricciardo e Massa.

Depois a turma começou a parar. Primeiro, Rosberguinho, depois Alonso, Hamilton e por aí vai. No fim das contas, Ricciardo apareceu na frente de novo, seguido de Massa, Räikkönen (esse, com apenas uma parada), Alonso, Hamilton, Rosberg, Bottas, Maldonado, Vettel e Vergne.

Räikkönen parou, e logo depois Massa, que via Alonso (de pneus novos) chegar cada vez mais rápido. Faltavam 24 voltas, e o óbvio seria a Williams calçar o brasileiro de pneus macios para andar rápido até o final, aproveitar a boa posição de pista e tal... Que nada! A Williams não sabe fazer estratégia. Colocou um novo jogo de médios  foda-se.

Vai entender...

Nesse momento Rosberguinho encostou em Hamilton e perguntou pelo rádio "- Por que ele não me deixa passar? Eu tenho de parar de novo". "- Foda-se", deve ter respondido o inglês, mentalmente. Rosberg não passou. Parou e voltou em 7º e não demorou a jantar Bottas, Räikkönen e Massa para se posicionar em 5º, a estratosféricos 23s do pelotão da frente, formado por Alonso (com o pneus nas últimas, mas tentando), Hamilton (largou dos boxes!), Ricciardo (pneus novinhos).

Aí Rosberguinho voou... Andando cerca de 3s mais rápido do que todo mundo, precisou de seis voltas e alguma coisa para descontou os 23s e encostar em Ricciardo. O sorridente rubrotaurino - que não é bobo nem nada - tratou de despachar Hamilton (n'uma manobra belíssima) e Alonso e sumir na frente. "- Fodam-se vocês, eu vou ganhar", pensou. Hamilton até que tentou, mas, como dizem, Alonso é Alonso. O espanhol faturou um 2º lugar improvável, e com o abandono de Hulkenberg é o único a pontuar em todas as corridas de 2014. 



Na última volta, Rosberguinho também tentou aprontar para cima de Hamilton, mas foi espremido e resolveu sossegar o facho. Largou na pole e viu o companheiro - que largou dos boxes, lembrem-se - ir ao pódio, e de quebra diminuir a diferença no campeonato de 14 para 11.

E aqui um parêntese: para quem acha que Lewis não tem cabeça para virar o jogo, está na hora de rever os conceitos. Mesmo com todos os problemas que enfrentou até aqui (Melbourne, Montreal, Áustria e Hockenheim) o inglês permanece vivo (bem vivo!) no campeonato, e fazendo corridas memoráveis.

Que a Mercedes não lhe tire a oportunidade de lutar...

Os dez primeiros foram Riccardão, Alonso (monstro!), Hamilton (que corrida!), Rosberguinho, Massa, Räikkönen, Vettel, Bottas, Vergne (belíssisma corrida) e Buton (quem?!). No campeonato, a Ferrari retomou o terceiro lugar nos construtores, e agora tem 142 pontos, contra 135 da Williams. A Red Bull se consolidou em segundo, com 219.

Nenhum comentário:

Postar um comentário