20 de julho de 2014

No estádio (3)

Passei o dia inteiro pensando em como começar a falar sobre a corrida de Hockenheim...

Pelo início, dirão vocês.

Claro!

A primeira curva de Hockenheim é uma das mais complicadas do calendário. Eu diria até que é a mais complicada de todas. Primeiro por ser praticamente flat (de pé embaixo, crianças) e por este motivo não caberem dois carros ali, e segundo porque algum infeliz inventou de colocar um calombo (mesmo) na zebra interna da curva, para evitar cortes de pista e catapultar carros. Foi isso que aconteceu, hoje.

Vamos lá.

Felipe tem o costume de largar bem. E hoje foi assim, mesmo. Tanto, que se a reta principal tivesse mais 100m, jantaria o companheiro e faria a curva 1 em segundo. Ok, 100 é exagero, talvez uns 200. Mas o fato é que não tinha, nem 200, nem 100, nem 1. Percebendo isso, Massa tirou o pé, recolheu... Fez tudo direitinho. Mas esqueceu que não estava sozinho na pista, e acabou fechando demais a tangência e encontrando Magnussen junior do seu lado. Um não viu o outro, possivelmente. Nesses carros de hoje em dia é difícil até enxergar o que está à frente. Um absurdo! Mas, todo cuidado é pouco n'uma largada. Mais ainda na primeira curva. Na primeira curva de Hockenheim então, a certeza é ter alguma merda.

Enfim.

Desde quando a Fórmula 1 existe, quando se encosta a roda dianteira de um na roda traseira do outro sempre dá em merda. Hoje, Felipe acabou levando a pior no toque, e saiu de cabeça para baixo até a área de escape, quando o carro desvirou.



Massa transformou uma boa classificação e uma chance real de pódio em mais um abandono. É o quarto no ano, segundo consecutivo, dos quais três poderiam ser evitados.

Não foram. E o pior, ou melhor: viu seu companheiro fazer outra corrida - desculpem pela expressão, mas - digna do senhor caralho. Bottas largou em segundo e por lá ficou até o final, sem maiores problemas. E, se por um lado não teve chances (nem carro) para atacar Rosberg, no fim, teve de segurar Hamilton com pneus supermacios e babando na sua asa traseira. Bem verdade que não houve um ataque efetivo do inglês (que já estava sem pneus), mas o finlandês estava com o mesmo jogo de pneus há 26 voltas, e escapava absurdamente nas retas.

Pra mim o destaque da corrida foi Hamilton, que largou em 20º (15º no grid, mas trocou o câmbio e perdeu 5 posições) e veio jantando todo mundo desde o primeiros metros. Na quinta volta já era o 12º. Na décima, o 10º. Aí encontrou Riccardão de Red Bull e a coisa complicou um pouco mais. Andando no mesmo ritmo, colaram juntos em Räikkönen e Hamilton jantou os dois, Räikkönen e Ricciardo, na mesma manobra. Uma coisa linda!

Ganharia a corrida, até. Mas falarei disso n'um post à parte. Ainda hoje, acho.

Seguindo.

Ricciardo foi outro que honrou o cockpit que senta (ui). Na se intimidou com Alonso-anda-mais-que-o-carro e sua Ferrari alada e partiu para a briga com o espanhol. No caso, a defesa da posição. No caso, a quinta posição. Mas dessa vez o duelo de Alonso com um rubrotaurino não teve o mimimi e reclamações como com Vettel na corrida passada. Riccardão perdeu a posição, mas isso se deve mais por culpa do desgaste de pneus do que propriamente por "falta de braço". Em tempo, o australiano vem fazendo um campeonato brilhante. É o terceiro no mundial de pilotos, com 106 pontos (lembrando que na Austrália teve seu 3º lugar anulado, caso contrário teria 136, "apenas" 40 pontos menos do que Hamilton).



Massa, Bottas, Hamilton, Alonso, Riciardo... Acho que falei de tudo. Rosberg não conta: teve como única tarefa hoje acelerar e ultrapassar retardatários. O lance da Sauber do Sutil parada no meio da pista e o fogo no carro do Kvyat se encaixam no post que eu pretendo fazer daqui a pouco.

Foi GP legal, em resumo. Muitas disputas de posição, estratégias diferentes, Hamilton despirocado saindo lá de trás... No final, Rosberguinho venceu pela 4ª vez no ano e 7ª na carreira. Com o companheiro em terceiro, aumentou a vantagem no campeonato para 14 pontos (190 contra 176), e se continuar assim vai aos pouquinhos recuperar o prejuízo de Silverstone, e inar ainda mais a cabeça de Hamilton, que nao é lá essas maravilhas. Os supracitados Bottas e Hamilton completaram o pódio, e completaram os dez primeiros Vettel, seguido de Alonso (devagar e sempre I), Ricciardo (sifu com a confusão na largada, poderia ter ido ao pódio), Hulkenberg (devagar e sempre II), Button (quem?!), Magnussen e Pérez.

E vocês, lembram e mais alguma coisa? Claro, que não seja o Button tentando correr ou o Räikkönen tomando passões vergonhosos e fazendo gracinha no rádio. Isso já perdeu a graça de tão rotineiro...

Um comentário:

  1. O lance da Sauber parada e sem entrada de Safety.. eu pude entender que iria prejudicar tanto o Rosberg como também o Hamilton, na verdade.. o time inteiro. Se o safety entra e o Hamilton consegue a vitória, ia dar assunto para um mês inteiro, o clima ia ficar pesado. Por outro lado, seria interessante ver no que daria rs..

    ResponderExcluir