25 de agosto de 2014

Previsível

Andei meio off este fim de semana, mas acompanhei tudo o que rolou na Bélgica. Não vou comentar sobre o que vocês podem ler por aí. Massa andou lá atrás por conta de problemas no assoalho (pff), Bottas andou pacas, Räikkönen acordou, Riccardão jantou Vettel e meio mundo de novo... E Lewis e Nico finalmente se acharam na pista!

Isso sim, é um assunto que vale a pena se aprofundar.



Pra início de conversa: demorou, não?

Confesso que vendo o lance pela primeira vez me pareceu um toque normal. Coisa de corrida, mesmo, e Lewis acabou tendo mais azar do que Rosberg. Simples assim.

Até porque, venhamos e convenhamos: da maneira que aconteceu, é um pouco de loucura pensar que foi algo premeditado. Ninguém (repito: ninguém!) conseguiria prever o resultado de um toque parecido com exatidão. Poderia ter acontecido inclusive o contrario. Ou seja, Lewis poderia ter seguido na prova todo pimpão e a asa de Rosberg poderia ter se partido em mil pedaços.

Mas, olhando as declarações pós corrida...

Lewis soltou os cachorros, dizendo que em uma reunião particular com a equipe Rosberg admitiu ter encostado propositalmente "para provar que estava certo". E a pergunta que fica é: certo em que? Provar o que? Pra quem? Batendo, mesmo?

Estranho.

Depois, olhando o replay com mais calma, é evidente que Lewis estava à frente, tinha a preferência da curva, e quem poderia evitar um toque era justamente Rosberg. Não evitou. Se foi de propósito ou não, só quem sabe é ele.



O que eu acho?

Hamilton pode ser o cabeça de vento que todo sabemos sim, mas não é de amarelar nessas situações. Junto de Alonso, é um dos mais corajosos e espetaculares pilotos do grid. E Rosberg, se andou falando mesmo tudo o que Lewis disse que ele falou, só demonstra que não é esse ser imaculado e inabalável como andam dizendo por aí. Se não falou, também não desmentiu...

"Quem cala consente", já dizia o ditado.

Enfim.

Monza está aí, e o campeonato agradece. 

Nós também...


Nenhum comentário:

Postar um comentário