2 de novembro de 2014

"Yes, he can"

(Ridículo, eu sei) E hoje, em Austin, só 17 carros largaram para o GP dos Estados Unidos de F1. Sim, dezessete carros! Um horror... No fim das contas, deu o óbvio. Mercedes fazendo 1-2 pela 10ª vez no ano em 17 corridas disputadas. Com a de hoje, são 14 vitórias dos carros prateados no ano, e dessas, 10 são de Hamilton, que venceu pela quinta vez consecutiva. Desde Monza só dá o cara...

(aconteceu algo mais em Spa além do toque entre os dois, não é possível)

Rosberguinho até esboçou uma reação no sábado, ao cravar a pole com uma certa autoridade. 0s3 entre dois carros iguais e pilotos que disputam o título entre si a três corridas do fim da temporada é uma diferença considerável. Mas Hamilton foi paciente, e desde a largada não deixou Rosberg abrir mais de 2s. Depois da primeira parada, acelerou como se não houvesse amanhã e passou onde - e quando - Rosberguinho nem esperava. Daí em diante foi covardia. Abriu, abriu, abriu...  E ganhou.

De resto, só destaco uma belíssima briga entre Alonso e Button - pouco antes do bote de Hamilton lá na frente. Alonso passou, Button devolveu o passão e ficaram os dois nessa punheta que durou umas duas voltas. No fim, Button ficou pra trás... Bem pra trás, diga-se, em 12º. Alonso, cumprindo aviso prévio, foi o 6º.

Rosberguinho já faz as contas - e, dizem macumba, enquanto Hamilton só perde o título se quiser, mesmo com a pontuação dobrada de Abu Dhabi. Nos contrutores, a Williams tem 42 pontos de vantagem para a Ferrari, e está a 125 da Red Bull... 

Difícil, mas ainda dá.


Semana que vem já tem Interlagos. Autódromo reformado, asfalto novo... Esperamos que seja animado, pelo menos. Vou tentar ir na corrida, mas, aos 45' do segundo tempo, não sei se vou conseguir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário