18 de julho de 2015

Bianchi

(Muito triste) Jules Bianchi faleceu ontem, em Nice, na França, onde estava lutando contra a morte desde o GP de Suzuka de 2014. É a primeira morte nas pistas de F1 depois de Ayrton Senna, interrompendo assim um hiato de 21 anos. Sim, eu escrevi "morte na pista" mesmo. Porque foi lá, em Suzuka, que Jules morreu. Crer que ele teria alguma chance depois de colidir com um trator - que a FIA colocou na pista, debaixo de chuva, sem visibilidade, e sinalizado porcamente seria... Demais. E não porque sou ateu e não credito em Deuses e milagres não. Simplesmente não dava pra crer n'uma recuperação; a ciência dizia isso.

Enfim.

Jules era veloz. Talentoso demais! Jovem (24 anos)... E, se tivesse terminado a corrida em Suzuka, provavelmente era ele quem estaria a caminho da Ferrari hoje, e não Bottas. Era o caminho natural para o francês. Afinal, Maranello foi buscá-lo nas categorias de base e enfiou-o na Marussia apenas para ganhar quilometragem. Todo mundo sabe.

E ele de quebra fez isso aí:


Fiquemos com essa lembrança.

3 comentários:

  1. é mesmo uma pena que um piloto tão talentoso tenha morrido dessa forma...

    ResponderExcluir
  2. Triste aqui, quando olhava as corridas ano passado sempre achava que ele tinha talento, sempre ia melhor que o seu companheiro de equipe. Um talento que se foi. Mas a vida é assim.

    ResponderExcluir
  3. Se fue un gran piloto, maldito Bernie, maldita FIA, maldita F1...

    ResponderExcluir